CEO da Deloitte fala de habilidades de liderança na pandemia

Edson Junior

 

Com o avanço tecnológico e principalmente em função da pandemia do novo coronavírus, o mercado sofreu alterações em seu funcionamento. O assunto foi debatido no Ciclo de Palestras de Temas Emergentes, realizado pelo Programa de Comércio Exterior Brasileiro (PROCEB) da Fundação Instituto de Administração (FIA), em parceria com a FEAUSP, no último dia 7 de outubro. Focado no tema "As transformações do mercado pelo olhar das empresas de serviços profissionais", o evento trouxe o CEO da Deloitte Brasil, empresa de auditoria e consultoria empresarial. Altair Rossato previu que as incertezas continuarão, mas salientou que precisamos “caminhar junto com as mudanças e dar nossas contribuições”. 

           

A consultoria financeira é um meio que requer o contato direto com o cliente e que sempre se inova com novas tendências de mercado. Altair destaca essa importância: “É necessário tomar o pulso dos clientes”. Comenta que a Deloitte investe em diversas áreas do conhecimento, para que haja profissionais que conheçam linguagens, riscos e particularidades de variados setores empresariais. Também pontua que um diferencial nos dias de hoje é o conhecimento de costumes regionais de dentro e fora do Brasil, permitindo um contato mais pessoal com o cliente independentemente de sua origem geográfica.

 

Para responder à crise da covid-19, a empresa desenvolveu soluções para seis áreas de gestão impactadas: governança da crise, gestão de pessoas, clientes e receitas, cadeia de suprimentos e operações, impactos financeiros e tecnologias e meio digitais. Altair atenta para a área de cadeias de suprimentos, uma das áreas mais afetadas na pandemia e que carece de novas soluções para que se reinvente sempre. Para ele, as inovações em tecnologias e meios digitais se mostram mais essenciais que nunca, sendo um investimento primordial para as empresas.

 

Inovação e transformação foram destacadas como palavras chaves ao se pensar em mudanças no mercado. O palestrante comenta que inovação não só é feita necessariamente ao construir algo novo e grandioso, mas também em pequenas atitudes ao fazer algo pequeno, mas de forma diferente, como “colocar um parafuso de maneira diferente”. Sobre transformação, foi pontuado que é essencial transformar e atualizar as pessoas dentro das empresas para que assim elas possam mudar os negócios. A comunicação e a constante discussão de ideias foram trazidas como soluções que podem resultar nisso. Além disso, Altair fala sobre o uso de um linguajar atualizado e atento às tendências: “Se você não tiver linguagem moderna, você não vai atrair atenção”.

 

Diz ainda que, no meio dos serviços profissionais, as áreas que mais necessitam de transformações de mercado atualmente são: o digital, os negócios e a agenda ESG. O digital e os negócios são pautas que tratam das mudanças que as empresas precisam proporcionar para que se adaptem estrategicamente durante e após o cenário da covid-19. Enquanto isso, a agenda ESG (Environmental, Social and Governance, traduzindo Ambiental, Social e Governança) pauta as responsabilidades sociais e de governança corporativa que o mercado necessita, além da consciência ambiental. Altair comenta sobre a inclusão de diversidade entre os profissionais, que, além das questões de marcadores sociais, também deve incluir uma variedade de pensamentos. Uma equipe diversificada e de formações em variadas áreas do saber permitem soluções mais diversificadas. 

 

O CEO da Deloitte também se atentou à posição de liderança e como desenvolver um espaço saudável enquanto líder. Afirma que “para ser um bom líder hoje, precisa-se exercitar a ambidestria, ou seja, saber chutar com as duas pernas”, referindo-se ao foco na operação, resiliência e convivência com contradições. Para ele, a humanização nas relações sociais é essencial para um espaço acolhedor em uma empresa e deve ser feito diariamente: “Humanização não é só um diálogo. É um bem cultural na sua organização”. Também destaca a importância de soft skills, que são habilidades de comunicação sobre temas leves e de conhecimentos gerais. Isso permite conversas variadas e descontraídas com sócios, clientes e colegas profissionais.

 

Altair Rossato falou sobre a importância de ter propósito, como maneira de crescer na carreira profissional. Por fim, comentou sobre a necessidade de feedbacks em um ambiente corporativo. Para ele, apesar de possuir uma recepção calorosa, as empresas brasileiras ainda carecem na transparência. Afirma que empregou uma política em seu ambiente chamada “fale para mim, e não de mim”, que serve tanto para os líderes em relação aos outros profissionais quanto vice-versa. Explica que, com isso, é gerado uma cultura em que todos se sentem abertos a falar e dar opiniões no meio profissional. 

 

 

 

Data do Conteúdo: 
Sexta-feira, 16 Outubro, 2020

Departamento:

Sugira uma notícia