Ruy Aguiar da Silva Leme

Biografia:

“Ruy foi uma das mais finas inteligências com que tive a ventura de conviver”, Professor Emérito Antonio Delfim Netto

Ruy Aguiar da Silva Leme, nascido em 1925, paulistano, entrou por primeira vez na então Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas da Universidade de São Paulo (FCEA-USP) em 1957 para assumir o cargo de Diretor. Trazido da Escola Politécnica, teria como missão arrumar a casa e enfrentar os maus momentos pelos quais a instituição passava. Mas Ruy Leme foi mais longe.

De uma intensa capacidade construtiva e uma ótima cabeça teórica, Ruy Leme liderou importantes realizações tanto para a universidade quanto para o país nas áreas da administração, da economia e da engenharia.

Como Diretor da FCEA, de 1957 a 1960, Ruy Leme funda o Departamento de Administração, implanta cursos de Pós-Graduação e instala a Congregação da Escola por primeira vez.

A partir de 1961, começa a lecionar como Professor Contratado no Departamento de Administração a convite de Dirceu Lino de Mattos, seu sucessor na direção da faculdade. Em 1965, ascende ao posto de Professor Catedrático. E, por duas vezes, foi Chefe de Departamento, primeiro entre 1973 e 1977 e depois entre 1981 e 1985.

A vida universitária de Ruy Leme começa, entretanto, na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, onde se graduou em Engenharia Civil em 1949. Cinco anos mais tarde, conquistou a Livre-Docência. E, em 1957, tornou-se o mais jovem Professor Catedrático da Poli aos 32 anos.

Seis anos mais tarde, daria provas concretas de sua maturidade intelectual e de seu comprometimento com o futuro do país. Foi o responsável pela criação e instalação do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica. Essa concepção de engenharia não existia no Brasil, e, para tanto, Ruy Leme visitou diversas universidades dos Estados Unidos no início da década de 60. A inauguração foi no ano de 1963, e ele seguiu como seu respectivo Chefe de Departamento até 1967.

Ao longo de sua vida acadêmica, acumulou 12 diplomas de cursos de Extensão, Especialização e Doutoramento nos campos de Economia, Estatística e Administração.

Na Universidade de São Paulo (USP), assumiu cargos de Pró-Reitor, Coordenador da Câmara de Graduação, Presidente do Conselho da Fuvest e Presidente da Comissão de Cooperação Internacional. Lecionou ainda na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) e na Escola de Engenharia de São Carlos, onde desempenhou também papel de Assessor da Reitoria.

Legítimo defensor das fundações dentro das universidades, Ruy Leme foi o responsável direto pela implantação da primeira do gênero na USP: a Fundação Carlos Alberto Vanzolini, criada em 1967 no âmbito do Departamento de Engenharia de Produção da Poli.

Em 1980, foi a vez do Departamento de Administração da FEA ganhar a sua. Sob a tutela de Ruy Leme, foi criada a Fundação Instituto de Administração - FIA. Eleito Presidente de seu Conselho Curador, Ruy Leme esteve à frente da fundação por 17 anos.

Na esfera pública governamental, Ruy Leme também foi forte, tendo assumido cargos de elevada importância:

Foi Presidente do Banco Central do Brasil de março de 1967 a fevereiro de 1968 durante o Governo de Arthur da Costa e Silva. Entre os anos de 1966 e 1967, foi Diretor da Carteira de Expansão Econômica do Banco do Estado de São Paulo. Em 1966, participou da elaboração do Plano Decenal do Governo Castelo Branco. De 1959 a 1962, colaborou como membro do grupo de planejamento da elaboração dos 1º e 2º Planos de Ação do Governo Carvalho Pinto no Estado de São Paulo. E presidiu a comissão de Salário Mínimo do Estado de São Paulo de 1958 a 1959.

Na iniciativa privada, ocupou cargos executivos e prestou consultorias e assessorias a grandes indústrias, tais como: Bombril, Duratex, Feingenson, Mangels, Cosipa, Villares, Comgás, Grupo Matarazzo, Cícero Prado, Fibra, entre outras. Em meio a tantas ocupações, ainda trabalhou como engenheiro em escritório próprio.

Homem de visão, soube viver conectado com seu tempo presente, concretizando projetos e formando pessoas. Faleceu em dezembro de 1997, deixando sua esposa Maria Alice Vanzolini da Silva Leme, os filhos Maria Tereza, Maria Cristina, Maria Isabel, Maria Carolina e José Hildebrando e onze netos.

Em 2004, recebeu homenagem póstuma: condecorado Professor Emérito da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.