Antonio Delfim Netto

Biografia:

Antonio Delfim Netto nasce em São Paulo durante as comemorações do dia do trabalho de 1928. Economista e Professor Emérito da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), soma mais de 55 anos dedicados à vida pública, tendo assumido cargos de catedrático, Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, ministro, embaixador e deputado federal.

Gradua-se bacharel em economia com a terceira turma da então Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas (FCEA) em 1951. A partir de 1952, começa a exercer função de Professor Assistente de Estatística Econômica e Econometria sob orientações do Professor Emérito Luiz de Freitas Bueno. Em 1959, torna-se Professor Livre-Docente com a tese “O Problema do Café no Brasil”. E em 1963, recebe o título de Professor Catedrático de Teoria do Desenvolvimento Econômico com o estudo “Alguns Problemas do Planejamento para o Desenvolvimento Econômico”. Desse modo, Delfim Netto se converte no primeiro ex-aluno da FEA e o primeiro economista formado depois da regulamentação da profissão a ocupar uma posição de Catedrático nessa faculdade.

Seus trabalhos didáticos e de pesquisa são, neste momento, voltados para os estudos de problemas da economia brasileira, planejamento governamental e teoria do desenvolvimento econômico. Sua linha de pensamento baseou-se essencialmente na aplicação da teoria neo-clássica no plano microeconômico e idéias keynesianas ou monetaristas no plano macroeconômico.

No início dos anos 60, além de seu cargo de professor na faculdade, exerce atividades extra-acadêmicas, entre as quais a participação na Comissão Interestadual da Bacia Paraná-Uruguai, política do Estado para o planejamento regional, presta consultorias à Associação Comercial de São Paulo e realiza estudos para a Associação Nacional de Programação Econômica e Social, entidade financiada por banqueiros paulistas que publica em 1964 seu importante trabalho intitulado Alguns Aspectos na Inflação Brasileira. É também indicado, no governo de João Goulart em 1964, para integrar CONSPLAN, um conselho de planejamento a nível federal, que não foi executado devido à queda desse presidente.

Em 1966, inicia sua ascensão política. Nesse ano, foi nomeado pelo governo dos militares Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo. Já no ano seguinte, em 1967, atende outro chamado do regime militar e assume a função de ministro da Fazenda. Dirige a economia brasileira entre 1967 e 1974, nos governos de Costa e Silva e Medici. Nesse período, Delfim Netto foi o responsável pelo momento da história conhecido como o Milagre Econômico.

De Brasília a Paris. Depois de seu trabalho à frente do ministério da Economia, é enviado para a França na condição de Embaixador. Permanece em Paris de 1975 a 1978. De regresso ao Brasil, segue novamente para Brasília e ocupa o cargo de ministro da Agricultura. No mesmo ano de 1979, transfere-se para o ministério do Planejamento, também na qualidade de ministro. Mantém-se nesse ministério durante todo o governo Figueiredo, até 1985.

Em 1983, na USP, abraça a Cátedra de Análise Macroeconômica. Quatro anos mais tarde, em 1987, em função de toda sua iniciativa acadêmica e sua experiência profissional é homenageado pela Faculdade com o título de Professor Emérito.

Desde 1987 até o presente (2006), Delfim Netto desempenha papel de Deputado Federal. Entre as principais condecorações recebidas, destacam-se as Ordens de Boyaca, Colômbia; de Cristo, Portugal; do Mérito Militar, MEx; do Mérito Aeronáutico, MAer; do Mérito Naval, MM; do Mérito Educativo, MEC; do Mérito da República Italiana, Itália; Legion D' Honneur, França; de Rio Branco, MRE.