FEA Professores - O empenho para renovar o corpo docente

ProfessoresNos últimos dois anos, 20 novos professores passaram a integrar omcorpo docente da FEA. Novos talentos - muitos "prata da casa" - que foram aprovados nos concursos para somar, renovar ideias, reforçar as linhas de atuação dos departamentos e garantir a qualidade do ensino e pesquisa que é marca da Faculdade.

A possibilidade de intensificar o trabalho de pesquisa é o grande atrativo. "A FEA proporciona todas as condições de trabalho necessárias para os professores como estrutura, profissionais de qualidade, alunos de alto nível, eventos etc. Em outras palavras, tem-se nessa Faculdade todos os ingredientes para o crescimento da carreira do acadêmico," diz Fernando Dal-Ri Murcia, professor contratado em março pelo Departamento de Contabilidade e Atuária.

O empenho dos três departamentos para preencher as vagas disponíveis tem que ser muito forte e exige intensa negociação para garantir verbas no orçamento e dar continuidade ao padrão de excelência da FEA. Nos anos 1970, a Faculdade dobrou de tamanho e agora precisa administrar as restrições para manter o corpo docente, em função dos desligamentos ocorridos nos últimos anos, basicamente em razão de aposentadorias por tempo de serviço ou compulsórias por idade.

Professores Novos"Trabalhamos para maximizar com restrições. Essa é a tarefa do economista. As restrições são da própria Universidade, de salário, de perspectivas de carreira. As condições oferecidas pelo mercado são melhores, mas estamos conseguindo atrair bons profissionais, criando programas de pós-doutorado com o suporte da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). A qualidade da produção acadêmica se destaca e a FEA é respeitada por isso, o que compensa a defasagem salarial", explica professor Denisard Alves, chefe do Departamento de Economia, que chegou a ter 128 professores e conta atualmente, com 60.

No Departamento de Administração, a situação é similar. Dos 95 professores que formavam o quadro em 2000, 75 vagas estão preenchidas, sendo que um professor é temporário. "Contamos com a colaboração voluntária de 11 professores seniores e nos desdobramos para desenvolver programas como o Dinter Novas Fronteiras (Doutorado Inter-Institucional em Administração com a Universidade Federal de Santa Maria, RS) e o novo mestrado profissionalizante. Para manter talentos e contratar professores temporários fizemos permutas de vagas com a FEA de Ribeirão Preto e a USP Leste", afirma o professor Adalberto Fischmann, chefe do Departamento de Administração.

Para o professor Edgard Cornachione, chefe do Departamento de Contabilidade e Atuária, a dificuldade de renovar o quadro de docentes é uma ameaça à consecução dos planos de médio e longo prazo estabelecidos pelas unidades e seus respectivos departamentos. "Como observamos em quaisquer organizações, a preocupação com atração e retenção de talentos é algo vital. Especialmente em instituições onde o capital humano é ainda mais relevante, como no caso de universidades e instituições de pesquisa. No EAC teremos, nesta década, 26% do quadro atingindo a aposentadoria compulsória e metade até 2014", aponta professor Edgard.

Apesar de condições tão adversas, o empenho da FEA tem sido recompensado com a energia e entusiasmo dos novos professores. "Do ponto de vista acadêmico, a FEA é a "Meca" dos acadêmicos brasileiros, e não é diferente no caso da Economia. Estar na FEA é uma honra, pois tenho como parceiros algumas das mais brilhantes mentes da área no país. Mas é uma responsabilidade também, pois se trata de manter o nível da escola, não apenas por conta da tradição, como também de alocar da maneira mais eficiente os escassos recursos públicos que bancam a Universidade," comenta André Luiz Squarize Chagas, recém-contratado do Departamento de Economia.

As histórias são variadas, mas têm o interesse pela pesquisa como ponto em comum. Rodrigo De Losso da Silveira Bueno deixou a EAESP/FGV para incrementar sua pesquisa na área de Economia Financeira no Departamento de Economia. Adriana Marotti de Mello era professora de Produção e Operações na ESPM e encarou o concurso para essa área no Departamento de Administração com afinco. Doutora em Contabilidade e Controladoria pela FEA, Flávia Zóboli Dalmácio era professora associada da FUCAPE Business School de Vitória (ES) e, desde março, é docente da FEA.

Desde 2007, Adriana Backx Noronha Viana, da FEA RibeirãoPreto, colaborava com o programa de pós-graduação da FEA. Em fevereiro, sua transferência foi aprovada. Maria Dolores Montoya Diaz também fez o percurso graduação e pós na FEA, docente na FEA Ribeirão Preto para retornar ao Departamento de Economia em 2011 e, além de dar andamento aos projetos na área de Políticas Públicas, iniciar nova frente na área de Governança Corporativa. Já o professor Alexandre Macchione Saes optou pelo caminho da História Econômica, depois da graduação em Ciências Sociais na Unesp/ Araraquara e pós-graduação em História Econômica na Unicamp. "São perspectivas teóricas diversas da Economia, mas acho que é exatamente isso que tenho como contribuição para a FEA", diz professor Alexandre.

CONTRATAÇÕES

Departamento de Administração
Liliana Vasconcellos Guedes
Marcelo Caldeira Pedroso
Fábio Lotti Oliva
Adriana Marotti de Mello
Renata Giovinazzo Spers
Adriana Backx Noronha Viana
Luiz Egydio Malamud Rossi

Departamento de Contabilidade e Atuária
Mara Jane Contrera Malacrida
Francisco Henrique Figueiredo de Castro Júnior
Ricardo Pacheco
Luciane Reginato
Andson Braga de Aguiar
Flávia Zoboli Dalmácio
Fernando Dal-Ri Murcia

Departamento de Economia
Rodrigo De Losso da Silveira Bueno
Heleno Martins Pioner
Rafael Coutinho Costa Lima
Alexandre Macchione Saes
André Luiz Squarize Chagas
Maria Dolores Montoya Diaz

26/10/2011

Notícias Relacionadas