Tese - Gestão de Pessoas nas multinacionais brasileiras


Doutorado em Administração

Gestão de pessoas nas multinacionais brasileiras

A análise da estratégia de gestão de pessoas nas empresas multinacionais brasileiras — com base no grau de autonomia de suas subsidiárias para decidir nessa área e no nível de internacionalização de suas políticas de gestão de pessoas — foi o objetivo da tese de doutorado em Administração de Patrícia Morilha Muritiba, defendida dia 1º de junho na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade na Universidade de São Paulo (FEA-USP).

A tese utiliza dois modelos teóricos. O primeiro consiste em verificar o nível de centralização e descentralização de autoridade que a matriz da multinacional repassa às suas subsidiárias. O segundo modelo analisa o nível que as empresas desenham políticas de gestão de pessoas na captação, compensação e desenvolvimento de profissionais para aproveitar as oportunidades globais.

A autora escolheu como estratégia de pesquisa o estudo de múltiplos casos. Segundo Patrícia, “Foram analisados doze casos de empresas multinacionais brasileiras, as quais foram definidas para este estudo como sendo as empresas que se engajam em investimento estrangeiro direto (FDI) e possuem ou controlam atividades que geram valor em mais de um país”.

Os resultados mostraram a preferência das multinacionais brasileiras em dar autonomia para suas subsidiárias, de forma descentralizadora (quatro casos) ou híbrida (três casos). Esta escolha se destacou pela facilidade das empresas em lidar com a cultura e legislação local, adotando uma postura diferenciada com relação à literatura de multinacionais.

Quatro empresas também se classificaram no chamado Nível 2 – nível diferenciado de internacionalização das políticas de gestão de pessoas – no qual as pessoas possuem maior facilidade de movimentar-se internacionalmente em programas de treinamento desenvolvidos em nível global e com o objetivo de compartilhar conhecimentos entre as unidades e onde existem políticas de compensação que favorecem a captação de recursos humanos globalmente.

Patrícia Muritiba diz que o estudo contribuiu para o aprofundamento da discussão sobre a autonomia das subsidiárias em termos de gestão de pessoas, com ênfase específica nas multinacionais brasileiras. Além disso, acrescentou uma nova dimensão – o nível de internacionalização – e apresentou modelos teóricos que podem ser usados futuramente para compreender a gestão internacional de pessoas das multinacionais.

A tese

Patrícia Morilha Muritiba, Estratégia Internacional de Gestão de Pessoas nas Multinacionais Brasileiras. A tese foi orientada pelo professor Lindolfo Galvão de Albuquerque e a banca constituída pelos professores Eduardo Pinheiro Gondim de Vasconcellos, Maria Tereza Leme Fleury, John Lawrence French e Beatriz Maria Braga Lacombe.

04/06/2009

Notícias Relacionadas