FEA Professores - Método de caso, uma estratégia de ensino


    UMA FERRAMENTA QUE AUXILIE O PROFESSOR, ESTIMULE O ALUNO A PARTICIPAR E A SE ENVOLVER E QUE AO MESMO TEMPO POSSA SER USADA COMO METODOLOGIA EM SALA DE AULA. Parece muito? Não, ela está disponível e cada vez mais acessível aos docentes no Brasil e na FEA, em particular.

    São os casos de ensino, ou teaching cases, recurso que, segundo a professora Tania Casado, do Departamento de Administração, é utilizado para ilustrar aulas de diversos cursos em várias áreas de conhecimento e para trazer a realidade para dentro da sala de aula.

    “Na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, por exemplo, os casos são utilizados nos cursos de direito, administração e até de medicina”, diz a professora Tania. O uso de casos de ensino como metodologia faz com que a aula seja conduzida a partir do debate entre os alunos. Ao professor, cabe o papel de moderador, a pessoa que irá intermediar as discussões, pontuando e trazendo os conceitos teóricos que irão colaborar nas decisões. “O método de caso tem suas particularidades e deve sempre conter um dilema”, explica a professora Tania.

    Outros pontos fundamentais para se criar um bom caso é que ele tenha começo, meio e fim; uma boa história, que prenda a atenção do aluno e o estimule; objetividade e foco na decisão; e, é claro, que esteja lastreado em conceitos teóricos aprendidos dentro da sala de aula.

    Pensando nas possibilidades de ampliação do uso dessa ferramenta pelos professores como auxílio pedagógico às aulas, a professora Tania participa de um grupo na pós-graduação em administração da FEA que se reúne duas vezes por mês para a elaboração de casos de ensino. Com seus alunos, a professora espera despertar o interesse para que no futuro, mais docentes utilizem o método de caso em sala. “Temos novas gerações entrando, que serão os novos professores, que estarão escrevendo e dando aulas utilizando os casos”, comemora.

    Integrante do North American Case Research Association (NACRA), associação que congrega professores e pesquisadores do mundo inteiro e é referência na utilização de casos de ensino, a professora Tania tem dois casos publicados na biblioteca de Harvard, universidade onde a utilização de teaching cases ficou conhecida.

    Um dado que ilustra a popularização e interesse dos alunos pelo assunto é a Competição de Resolução de Casos organizada pela FEA Júnior. Para a professora, o evento da Júnior “nasce exatamente do interesse e da preocupação de enfatizar a metodologia dentro da sala de aula”. Para ela, no Brasil não existe essa tradição, porém é necessário criá-la, pois as melhores escolas de negócios e de administração do mundo usam essa metodologia. “É isso que quero introduzir na escola, é por essa razão que tenho estimulado os alunos a escreverem”, destaca Tania.

    A professora Graziella Maria Comini, do Departamento de Administração, esteve recentemente em Harvard e conheceu de perto a escola que tem se destacado na elaboração e utilização de casos de estudo. Durante dez dias, em agosto, ela realizou um curso oferecido pela instituição americana sobre método de caso, aprendendo e discutindo com colegas de outros países, entre outros temas, a metodologia a ser aplicada em sala de aula. Segundo ela, “foi uma experiência única. No curso discute-se o método de aprendizagem, centrado nos alunos, além de debater como explorar melhor a participação deles”.

    Já que um caso termina com a tomada de decisão, ambas as professoras ressaltam que o recurso deve ser precedido de embasamento teórico, para que os conceitos sejam trabalhados de forma a auxiliar o aluno na definição de suas ações. “O aluno é apresentado a um dilema e deve buscar o melhor caminho, usando as teorias que aprendeu”, explica a professora Tania. “É importante apontar como a teoria ajuda a dar lastro a determinada decisão”, acrescenta a professora Graziella.

10 PONTOS BÁSICOS PARA SE CONSTRUIR UM BOM CASO

1. apresentar um dilema;
2. colocar o aluno na pele do protagonista;
3. existir sempre um conflito;
4. estar focado em uma decisão;
5. estar fundamentado na teoria;
6. contar uma história interessante e real, que tenha começo, meio e fim;
7. ser preciso e objetivo, e conter histórias de situações e de tomadas de decisão;
8. conter as informações mais importantes e prender a atenção do aluno;
9. não ter juízo de valor, mostrar a situação objetivamente;
10. conter informações suficientes para a tomada de decisão.

ESTUDO DE CASO VERSUS CASOS DE ENSINO

    Muitas vezes confundido com estudo de caso, o caso de ensino difere conceitualmente. Enquanto o primeiro é uma técnica de pesquisa, o segundo é uma metodologia didática, para aplicação de conceitos em sala de aula. Se um professor recorre a um determinado caso de ensino em sua sala de aula, pode solicitar ao autor as teaching notes, que nada mais são do que os passos que o docente deve seguir para conduzir a aula. “Nas teaching notes constam os objetivos institucionais e tudo o que o professor quer que o aluno aprenda”, explica a professora Tania Casado.

01/10/2007

Notícias Relacionadas