Feira de Intercâmbio USP mostra experiências no exterior

 

Por Pedro Ferreira

 

Entre os dias 16 e 20 de agosto, ocorreu a 5ª edição da Feira de Intercâmbio USP, que democratiza o acesso à informação sobre intercâmbio universitário dentro da Universidade de São Paulo. O evento ocorreu de forma online e contou com a participação de ex-intercambistas, consulados e parceiros de diversos países, como Alemanha, Reino Unido, Portugal, Coreia do Sul, México e muitos outros.

 

A feira, que acontece desde 2014,  é organizada pelo Programa de Educação Tutorial da FEAUSP, entidade que há 25 anos promove atividades de extensão, fomenta a pesquisa universitária e dissemina informações relevantes para a sociedade. Os membros do projeto buscam incentivar as inscrições nas vagas oferecidas, oferecer suporte durante todo o processo e tornar tangíveis as oportunidades de estudo no exterior.

 

Além do evento, o PET se dedicou à elaboração do Manual de Intercâmbio, que foi disponibilizado para o público e contou com a ajuda do Sempre FEA e do Studio Colmeia para ser feito. A revista reúne todo o material coletado através de pesquisas sobre o intercâmbio na USP e apresenta informações relevantes para quem tem interesse, como quais são as universidades mais concorridas.

 

A abertura da Feira de Intercâmbio apresentou depoimentos de ex-intercambistas, que relataram suas experiências e incentivaram alunos que têm interesse em viajar para as universidades parceiras. Em seguida, Marcio Lobo Netto, vice-presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (AUCANI), explicou o funcionamento do intercâmbio dentro da universidade e tirou dúvidas sobre o processo de inscrição. A USP mantém convênios com diversas instituições de ensino estrangeiras e negocia vagas de intercâmbio entre as instituições com benefícios, como a isenção de taxas. Dessa forma, os convênios possibilitam a ida de estudantes da USP para outras instituições e vice-versa, com duração de 6 meses ou 1 ano.

 

Netto ainda deu informações sobre a inscrição nos editais e explicou como é realizado o processo seletivo para as vagas. Ele mencionou o cenário de intercâmbios durante a pandemia, com a suspensão de bolsas e a redução do número de viagens, e a incerteza quanto ao futuro. Há a expectativa, no entanto, de que as viagens sejam retomadas com o retorno das atividades presenciais e que as possibilidades de mobilidade virtual continuem a ocorrer. 

 

Além das palestras dos 18 países presentes na feira, houve também exposições sobre o aprendizado de idiomas. Na quinta-feira, Rodrigo Leite apresentou a Toelts, preparatório para TOEFL e IELTS, dois dos maiores exames de avaliação de proficiência em língua inglesa. Enquanto, na sexta-feira, a palestra da CAVC Idiomas abordou os cursos da escola de línguas do Centro Acadêmico da FEA, que abrangem inglês, espanhol, alemão, italiano e francês.

 

Matheus dos Santos e Pedro Saldanha, colíderes do PET ADM, contam que o objetivo do evento deste ano foi democratizar as informações sobre intercâmbio para toda a comunidade da USP e também para um público externo. “Nós trouxemos pessoas que trabalham [com intercâmbio], que falaram sobre bolsas, trabalho, migração, tudo relacionado. Então esse evento foi muito importante não só para o intercâmbio acadêmico, ele é bem interessante para qualquer um”, conta Pedro.  

 

“Um pilar do tripé do PET é a extensão, que é devolver à sociedade todo o investimento que recebemos. Quem não é da USP também pôde aproveitar o evento, e tivemos muitas pessoas de fora, de escola pública que participaram”, adiciona Matheus. Os membros contam que ficaram surpresos com a recepção do público e o número de participantes. Foram quase 3 mil inscrições, número 20 vezes maior do que o da edição anterior. 

 

Matheus pondera que, apesar do processo de seleção das vagas ainda não considerar os diferentes perfis sociais dos universitários, o intercâmbio é uma possibilidade dentro da USP e precisa ser conhecido por todos. “É uma experiência única, de poder conhecer o mundo, entrar em contato com culturas e pessoas diferentes e, ao mesmo tempo, estar representando a Universidade de São Paulo no exterior”, completa Pedro.  

 

 

 

Data do Conteúdo: 
Quinta-feira, 26 Agosto, 2021

Departamento:

Sugira uma notícia