Feira aproxima alunos da USP do sonho de fazer intercâmbio

Por Bruna Arimathea e Bruno Carbinatto

 

Estudar em uma universidade do exterior é uma oportunidade que agrega conhecimento, cultura e trocas de experiências únicas na carreira de um profissional. Entretanto, como se preparar para uma faculdade fora do Brasil requer grandes burocracias, o intercâmbio surge como uma opção para estudantes que desejam aprimorar suas habilidades e adquirir um diferencial na hora de preencher o currículo.

Por outro lado, as universidades brasileiras também se interessam na vivência internacional de seus alunos. Elas se preocupam cada vez mais, na parceria com instituições que possam tornar a vida acadêmica do seu aluno mais rica e conceituada, atribuindo seu nome à excelência da formação do profissional.

A II Feira de Intercâmbio realizada pelo PET ADM na FEAUSP trouxe essas questões, sanou dúvidas e expôs as oportunidades que a faculdade oferece aos seus alunos. Além de palestras sobre estudar fora e viagens, o evento permitiu que os estudantes conhecessem as oportunidades abertas e entendessem como funciona todo o processo de aplicação, desde a USP até a universidade de destino.

A Feira reuniu em sua segunda edição, no último dia 20 de junho, cerca de 300 alunos de diversas unidades da USP. O evento surgiu como uma expansão do “Dia do Intercâmbio”, um projeto realizado pelo PET ADM, mas que tinha pouco alcance dentro da comunidade feana. No ano passado, em parceria com o Clube Internacional da FEA, nasceu a Feira neste formato, contou as organizadoras Letícia Colantuono e Mariana Solér, do curso de Administração.

Elas afirmaram que a entidade procurou parcerias que pudessem oferecer mais que apenas o âmbito acadêmico e que o apoio da  Comissão de Cooperação Internacional da FEAUSP foi fundamental para que a Feira tivesse sucesso. “Os colaboradores Wilton César Odorico e Márcio Cuzziol nos ajudaram muito na organização do evento, além de providenciarem os materiais das IES estrangeiras para serem apresentados nos nossos estandes”, disse Letícia. “Nesses espaços eles puderam entender melhor como atuam as universidades estrangeiras, quais os custos de morar fora, como é a cultura de diversos países, etc. No estande e na palestra da CCInt, puderam saber como funcionam os requerimentos e bolsas, quais as notas desejáveis para concorrer às vagas, quais testes de proficiência em idiomas são necessários e demais informações relevantes. As palestras causaram mais interesse nos presentes que o imaginado, inclusive com presença de pessoas de diversas unidades da USP, como EACH, FFLCH, POLI e IF”, explicaram.

“Na feira tivemos o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (Deutscher Akademischer Austauschdienst - DAAD), que apresentou oportunidades de estudos e pesquisas na Alemanha; a Associação Brasileira de Intercâmbio Profissional e Estudantil (ABIPE), que falou sobre o programa International Association for the Exchange of Students for Technical Experience (IAESTE), que oferece estágio remunerado no exterior; a NUFFIC Netherlands Education Support Offices (NESO), que busca promover o intercâmbio para a Holanda, entre outros.

A FEA por meio da CCInt tem enviado e recebido alunos em intercâmbios acadêmicos. De 2000 para cá, cerca de 2300 feanos viajaram para alguma universidade do exterior, através dos convênios ofertados pela faculdade. São cerca de 125 acordos em mais de 30 países, além do duplo diploma com a faculdade francesa Kedge Business School.

Como fazer um intercâmbio?

A FEAUSP oferece diversas possibilidades de intercâmbio internacional para seus alunos de graduação, uma forma de agregar ao currículo e abrir novas portas de carreira. Por se tratar de um processo que envolve burocracia, é natural que algumas dúvidas surjam por parte dos graduandos, e, na Feira de Intercâmbio, essas perguntas foram respondidas. A maioria das informações, como detalhes dos processos passados e instituições conveniadas, se encontra no site da FEA.

Para participar do programa de intercâmbio oferecido pela CCint da FEA, o aluno deve estar matriculado no quarto semestre do curso, no mínimo, e ter completado pelo menos 60 créditos de disciplinas obrigatórias. Além disso, para a primeira chamada é necessário ter a média ponderada com reprovações igual ou maior do que a média do seu curso. Na segunda chamada, esse requisito cai para média superior a 5,0. As reprovações também contam: o aluno não pode ter duas ou mais reprovações nos três semestres anteriores à inscrição, bem como não possuir mais de duas reprovações no histórico por frequência ou quatro reprovações de qualquer natureza. Por fim, deve-se comprovar a proficiência do idioma das aulas ministradas na instituição desejada.

Os critérios de seleção levam em conta a média ponderada com reprovações, em comparação com a média do curso; a carga horária cursada pelo aluno e a carga horária total e o semestre atual do aluno em relação com o total de semestres do curso (alunos mais avançados no curso tem preferência nesse sentido).

A FEA só possui convênio de graduação com faculdades que não exigem pagamento da mensalidade aos intercambistas; existem, no entanto, outros custos, como a passagem, a estadia e a alimentação. Por isso, é importante que o aluno esteja ciente e preparado para arcar com esses gastos.

A professora Kavita Hamza, coordenadora da CCint FEA, dá algumas dicas para os alunos interessados. Primeiro, é necessário buscar o máximo de desempenho acadêmico, sempre buscando evitar as temidas reprovações. Fazer curso de idiomas desde cedo é altamente desejável, bem como poupar dinheiro para os gastos fixos da viagem. Outra dica importantíssima é participar de outras atividades da FEA: cultura/extensão e ensino/pesquisa, porque cada uma garante um bônus de 5% no cálculo final no processo de seleção, totalizando 10% de bônus.

 

Mais informações:

ccintfea@usp.br | (11) 3091-6075

https://www.facebook.com/ccintfea/

Data do Conteúdo: 
quinta-feira, 28 Junho, 2018

Departamento:

Sugira uma notícia