FEA em busca de seus alumni


Um trabalho longo e meticuloso. A Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP quer descobrir quem são e onde estão os seus alumni. Onde trabalham, em que áreas, os cargos que ocupam. Enfim, que rumo tomaram após se formarem na graduação e na pós-graduação. Mas, muito mais do que moldar o perfil socioeconômico e profissional de seus egressos, a FEA quer estreitar os laços que podem ter se perdido ao longo do tempo. 

Esse trabalho de recuperar o contato com seus “filhos” não é nada fácil. Começou lá atrás, em 2006, quando a Faculdade instituiu o Feamais, programa de relacionamento com os ex-alunos, em conexão com a comemoração dos 60 anos da FEA. Naquele ano, o Feamais cuidou de todas as ações comemorativas do aniversário da faculdade, que incluíram eventos e um grande encontro de alumni realizado no velódromo da USP.


Inspirado nos programas das melhores universidades do mundo, o Feamais – hoje FEAalumni – foi criado com o objetivo de “cultivar laços fortes e perenes entre a FEA e seus alumni”, conectando passado, presente e futuro. Seu espírito nasceu da vontade de estimular no aluno “o orgulho de pertencer”. Dessa forma, o programa promoveria “ações significativas, consistentes, periódicas e regulares” visando engajar seus alumni “na busca por recursos que contribuam para a excelência do ensino, da pesquisa e da extensão da Faculdade ao longo do tempo”.


Essa conexão entre passado, presente e futuro começou a ser traçada com o desenvolvimento de um banco de dados dos egressos da FEA, a partir de 2006. Seria a grande oportunidade de a Faculdade ter um registro histórico de seus “filhos” e, com isso, poder estreitar o relacionamento. Um relacionamento para durar para sempre.

 
No ano passado, quando a FEA comemorava seus 70 anos, uma nova iniciativa foi lançada no sentido de ampliar o banco dos alumni, com a integração de novas fontes de dados, o que gerou um upgrade das informações e a possibilidade de montar o perfil socioeconômico e profissional dos egressos. 

.........................................................................................................................

O banco de dados dos alumni da FEA possui atualmente 29 mil inscritos. Desses, 70% são do sexo masculino e 30%, feminino. Os ex-alunos são a grande maioria do banco, representando 86%, enquanto os estudantes na ativa somam 14%. A maioria dos cadastrados (94%) cursa ou cursou a graduação, 5% a pós-graduação e 0,3% são intercambistas. Se separarmos os alumni da graduação por áreas, temos 38% na Administração, 34% na Economia e 27% na Contabilidade e Atuária. Na pós-graduação, os alumni de Administração também são maioria: 54%. Em seguida vêm os de Controladoria e Contabilidade (25%) e Economia (21%). Os homens são maioria em todas as áreas da FEA: Economia (75%), Administração (65%), e Contabilidade e Atuária (66%).

Para chegar a esses números do banco de dados, o percurso foi longo. Mario Lúcio Corrêa Neto, ex-gestor do programa FEAalumni, conta como foi o início do levantamento: “Em 2006, foi criado o primeiro portal de alumni da Faculdade, com o objetivo de aproximar os alunos através de comunidades. Logo, ele funcionava também como uma rede social. Para alimentar o portal era necessário ter a base de nomes dos ex-alunos, o que gerou um grande desafio no início, pois a maioria dos nomes não era digitalizada. O sistema informatizado Jupiterweb da USP surgiu somente em 1998. Antes disso, tinha-se apenas os registros dos graduados nos livros de formatura. Após digitalizar os nomes, foi feito um esforço grande para que estas pessoas se cadastrassem em nosso site e esta foi a primeira grande base de dados do programa”. 

O portal permaneceu sem alterações até 2010, época em que foi feita a primeira atualização do site e “uma limpeza” da base de dados. “Com o crescimento do Facebook e do Orkut, não fazia mais sentido termos uma rede social fechada. Então, a primeira premissa foi simplificar o site, divulgando apenas notícias e informações úteis para nossos alumni. A segunda foi refazer o formulário antigo, que era longo e possuía informações sem muita utilidade, para que os alumni pudessem se cadastrar de maneira rápida”. 

Mário Lúcio Corrêa prossegue: “Para entrar em contato com os alumni, precisávamos ter certeza que os dados estavam corretos e atualizados. Outra coisa é que, sem ter um filtro para identificar os verdadeiros alumni, muitas pessoas se cadastravam apenas para acessar as vagas de emprego”. Foi então que o FEAalumni decidiu contratar uma empresa de banco de dados e marketing para fazer uma atualização dos contatos. “Fornecemos os nomes e a empresa levantou os e-mails, telefones e endereços. De 17 mil alumni da época, foram identificados 10 mil contatos”.

O próximo passo era encontrar uma forma de atrair para o cadastro no portal somente os alumni da FEA. “Passamos a exigir o CPF, garantindo que não houvesse duplicados. Passamos a cruzar os nomes dos inscritos com a lista de alumni que possuíamos. Quando não localizávamos, solicitávamos uma cópia do diploma. E restringimos o cadastro apenas a graduados e pós-graduados da FEA, sem misturar com os das fundações de apoio”. 

Foram enviadas cartas aos 10 mil nomes e realizadas campanhas nas redes sociais. Os novos alunos também foram incluídos no programa. Outra ação foi realizar uma parceria com a Seção de Estágios da FEA. “Todas as vagas de lá foram trazidas para dentro do portal. Os alunos em algum momento acabam procurando vagas de emprego”, justificou Mário Lúcio.

Integrando os bancos de dados
Quando a FEA se preparava para comemorar seus 70 anos, completados em janeiro de 2016, o professor José Afonso Mazzon (EAD), presidente da comissão encarregada de organizar as festividades, teve a ideia de ampliar a base dados, integrando informações reunidas em outras fontes. Começava uma nova etapa. A Faculdade passou a garimpar outras bases de dados, inclusive livros históricos e arquivos mortos, e a mesclar as informações. Para esse trabalho, Mazzon contou com a colaboração de sua equipe de pesquisadores, capitaneada por Fábio Meletti, que é formado em Ciência da Computação, além de Mayra Onishi, funcionária da ATCD (Assistência Técnica de Comunicação e Desenvolvimento). 

“Tivemos que integrar 13 diferentes bases de dados para montar uma única base de ex-alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado”, explica o docente. “Com isso, houve a necessidade de se fazer consultas em registros manuais, relativos ao período anterior, elaborar uma lista com essas informações, e por fim desenvolver um programa para imputar os dados, tais como nome, gênero, ano em que ingressou na Faculdade e se formou, e assim por diante”. 

A base de dados cresceu, chegando a 29 mil registros. Mas o grande desafio hoje é completar todas as lacunas em branco que ainda existem. Isso porque as variáveis dos bancos integrados são diferentes. Faltam dados importantes e muitos estão desatualizados. “Já conseguimos um número expressivo de ex-alunos com dados atualizados, até das empresas nas quais atuaram, onde se encontram atualmente. De repente, podemos ter até salários e conseguir traçar um perfil socioeconômico desses alunos. Com isso, a escola poderá fazer um Customer Relationship Management (CRM) com ex-alunos, divulgando seus eventos e abrindo um canal de comunicação”. 
O espírito do programa de relacionamento com ex-alunos, na opinião do professor José Afonso Mazzon, é esse: “Nos Estados Unidos, os ex-alunos são a grande fonte de receita das grandes universidades. Existe até competição entre as turmas formadas para ver quem doa mais recursos. É uma forma de colaborar com sua universidade, devolvendo um pouco do que foi investido para sua formação e para o seu sucesso pessoal e profissional. Pouquíssimas escolas no Brasil desenvolvem programas de relacionamento. E a base para desenvolver isso é saber onde estão os ex-alunos”. 

O FEAalumni vem aprimorando o cadastro dos alumni continuamente, removendo duplicações e acrescentando dados de variáveis garimpados nas redes sociais, visando sua atualização e enriquecimento constantes. Esse trabalho diário é feito por Mayra Onishi, que atende todas as demandas relativas ao FEAalumni, inclusive o de orientar o cadastro de empresas que desejam disponibilizar vagas de estágios para alunos da FEA. 

O portal FEAalumni é o principal canal entre alunos que procuram estágios ou empregos e a iniciativa privada. Para se ter uma ideia, entre janeiro e maio deste ano, foram oferecidas 640 vagas nas quatro áreas do conhecimento (economia, administração, contabilidade e atuária) para estágios e cargos tais como de analista, supervisor, consultor, executivo de vendas e coordenador de projetos. 

Na opinião do professor José Afonso Mazzon, a ideia do banco de dados é fazer com que o ex-aluno se aproxime da escola. “Tem muitos ex-alunos que se formaram e nunca mais voltaram para a FEA, não sabem o que está acontecendo aqui. Esse é um canal que o banco pode propiciar à FEA. Além de se comunicar, despertar no ex-aluno o desejo de reatar os laços emocionais e até mesmo econômicos, nesse caso ser um contribuidor para a FEA”.  

FEAalumni
Portal: http://alumni.fea.usp.br/
E-mail: fea.alumni@usp.br 
Telefone: (11) 3091-5940 
Expediente: 7h às 13h
Endereço: Av. Professor Luciano Gualberto, 908 | FEA1 - sala B117 
Cidade Universitária - São Paulo/SP

Gente da FEA - agosto de 2017
Autora: Cacilda Luna

 

Data do Conteúdo: 
terça-feira, 8 Agosto, 2017

Departamento:

Sugira uma notícia