DevTalks traz debate sobre blockchain e economia digital

Theo Sales

 

Ocorreu no dia 29 de abril o primeiro DevTalks presencial do ano. Trata-se de um encontro organizado pela FEA.Dev, que abordou a tecnologia Blockchain e sua aplicação na economia. A entidade convidou cinco profissionais renomados para conversar acerca do tema, explicando o funcionamento dessa tecnologia, mas também falando sobre o ponto de vista do mercado e do Direito, os desafios de se trabalhar com essa área e perspectivas para o futuro.

 

O palestrante Carlos Durigan, membro da Oxford Blockchain Foundation, participou do encontro por meio de um vídeo gravado e começou a conversa sobre o tema. Durigan aponta que ainda estamos em uma fase de aprendizado e as pessoas e as empresas ainda estão entendendo a funcionalidade dessas novas tecnologias. “O risco pode ser visto como uma oportunidade”, afirma sobre as possibilidades e dificuldades envolvendo essas inovações.

 

A presidente da entidade, Alice Tinôco, mediou a conversa e iniciou o debate com uma pergunta sobre o que é Blockchain e como outras tecnologias funcionam a partir disso, tais como as criptomoedas, smart contracts, finanças descentralizadas (DeFi) e NFTs. A programadora Natalie Bravo, desenvolvedora de Blockchain na empresa Adaptive Code, explicou de forma resumida o funcionamento dessa tecnologia como sendo um livro de registros digital e descentralizado.

 

Ana Cajazeira, especialista em regulação de criptoativos na CloudWalk, começa sua fala questionando se Bitcoin é uma moeda. Ela põe essa questão como o principal problema para a regulação, pois o Banco Central do Brasil (Bacen) não reconhece nenhuma criptomoeda como moeda de fato. Cajazeira então cita algumas medidas que caminham para um certo entendimento legal sobre essa questão no Brasil, como a criação do Real Digital e a aprovação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado de um projeto que regulamenta as criptomoedas.

 

Para Vito Castanha, Gerente de Produtos de Tecnologia da B3, apesar de serem uma invenção do mundo digital, as criptomoedas devem ser aceitas, pois as moedas fiduciárias também são convenções sociais, mas amplamente aceitas. De acordo com o profissional, o mercado financeiro de capitais leva um certo tempo para aceitar novas tecnologias, principalmente devido à necessidade de se comprovar com evidências a sustentabilidade dessas inovações. 

 

Ainda segundo Castanha, as criptos apresentam um trilema: descentralização, segurança e escalabilidade. O primeiro tópico refere-se à ausência de um controle centralizado, isto é, as criptomoedas são organizadas por comunidades online. Apesar de ser uma vantagem devido à uma maior liberdade e autonomia, essa descentralização pode se tornar um perigo caso comprometa a segurança, que é frequentemente testada por ataques hackers. Por último, a escalabilidade também se trata de uma questão importante, visto que há um histórico de rápido crescimento e também rápido declínio de várias empresas e criptomoedas nos últimos anos. 

 

Uma das vantagens das criptomoedas é sua independência e descentralização, que são parcialmente perdidas quando mediadas por grandes instituições. Porém, essa relação é mais complexa. Tiago Merli, Digital Assets Leader do Itaú, explica que os bancos podem oferecer mais segurança às suas redes e clientes, o que é um atrativo principalmente para pessoas com menos conhecimentos na área. 

 

Além disso, falando da perspectiva do mercado, Merli ressalta que, da mesma forma que a internet se tornou indispensável, os criptoativos também serão. Segundo conta, as instituições financeiras estão correndo atrás dessas inovações para poderem oferecer novos serviços que correspondam às demandas e necessidades dos clientes e da economia digital.

 

De forma geral, todos os palestrantes concordaram que os economistas precisam acompanhar essas inovações ou ficarão para trás. Além disso, eles ressaltaram a importância de profissionais dessa área, bem como da psicologia para além dos programadores para trabalhar com Blockchain e criptomoedas. 

 

Por fim, os convidados responderam às perguntas feitas pelo público presente, que se envolveu em um rico debate sobre tecnologia e economia.

 

 

 

Data do Conteúdo: 
Quarta-feira, 4 Maio, 2022

Departamento:

Sugira uma notícia