Biblioteca da FEA tem nova chefe técnica

Hálida Fernandes é a nova chefe técnica da Biblioteca da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Mineira, nascida em Belo Horizonte, veio para São Paulo aos cinco anos.

No início da vida acadêmica, Hálida cursou até o terceiro ano de Medicina na PUC Campinas. Anos mais tarde, quando sua irmã estava para prestar vestibular, olhando o catálogo da Fuvest descobriu Biblioteconomia. "A descrição do curso falava em pesquisa e eu fiz uma associação subjetiva com as anamneses praticadas nos hospitais, a investigação que se faz para se chegar a um diagnóstico. Eu gostava de fazer isso enquanto estudante no hospital universitário, acompanhada por docente ou médico supervisor”, relembra.

Retornou às salas de aula na ECA, desta vez aprendendo sobre a gestão de acervos, arquivos, livros e bancos de dados. “Estava com saudades de estudar. Em tudo que me apresentavam eu via um potencial”, conta ela.

Desde então passou por um estágio na biblioteca da FGV, outro numa agência de publicidade, no MIS - Museu da Imagem e do Som, numa ONG (SOF - Sempreviva Organização Feminista) e em dois projetos de iniciação científica, um em Literatura Cinzenta na ECA e outro na Faculdade de Saúde Pública - afinal, nunca deixou de lado seu interesse pela área da Saúde. Em 2005 ingressou na USP como bibliotecária. Trabalhou na faculdade de Direito do Largo São Francisco e depois, novamente, na faculdade de Saúde Pública, onde permaneceu por 14 anos. "Trabalhei em funções operacionais nas áreas de processamento técnico, atendimento e marketing", explica.

Até que, neste ano, uma nova porta se abriu. Hoje, ela exerce a função de chefe técnica da Biblioteca da FEA. “Comecei há menos de dois meses. Vejo aqui uma perspectiva de carreira que eu não tinha antes. Vim para cá com muito entusiasmo e espero contagiar a equipe. Fui bem recebida e estou feliz com o tipo de atividade que eu estou realizando. Vejo a Biblioteca da FEA como uma oportunidade de contribuição e aprendizado aplicado. Estou cheia de ideias”. 

Uma dessas primeiras ideias está delineando um projeto inovador: a transformação das vitrines da biblioteca, antes usada para exposições transitórias, em uma exposição museológica sobre a história da FEA, homenagem às profissões e aos profissionais formados aqui. 

“Existem equipamentos antigos, fotos, documentos. Um grande acervo contando a história da FEA, das profissões, de funcionários que foram homenageados, alunos e docentes que se tornaram importantes figuras públicas. Inclusive um acervo doado pelo professor emérito e ex-ministro Antonio Delfim Netto. Pensei: por que não compartilharmos essas histórias?”, explica Hálida.

A ideia é que a exposição seja rotativa e para isso será necessário formar uma reserva de acervo adequadamente acondicionado, patrimonializado e catalogado. Para tanto, a Biblioteca lançou a campanha “O que é seu está guardado” com auxílio da Assistência de Comunicação da FEA. O projeto deve estar disponível ao público no ano que vem e será realizado em parceria com os funcionários da FEA, em especial da biblioteca, e um docente da pós-graduação de Museologia do MAE/USP, convidado por Hálida. “O Prof. Vagner Carvalheiro Porto aceitou o desafio de me auxiliar neste projeto”. 

Por fim, ela conta que ainda está “tomando pé” na nova função. “Acredito que é necessário entender os procedimentos pela ótica do outro, de quem está realizando a tarefa. Conhecendo o todo, eu consigo apresentar ou introduzir propostas que beneficiem o conjunto. Se eu estou aqui eu devo trazer algum benefício, melhoria, inovar de alguma forma. A minha função, na minha visão, é essa”, completa. 

Autora: Giovanna Costanti
Gente da FEA - novembro de 2019

Data do Conteúdo: 
quinta-feira, 7 Novembro, 2019

Departamento:

Sugira uma notícia