Austrália experimenta ensino que mistura presencial com online

Por Breno Queiroz

Assista a palestra na íntegra

O chamado para mudar os métodos pedagógicos convencionais está na tecnologia. Apesar das recentes inovações tecnológicas da revolução digital, nas escolas predominam modelos desenvolvidos no século XVIII, influenciados pelo modo de produção fordista. O professor “ensina” e o aluno “aprende” como um carro que passa na linha de montagem.

O ensino a distância, por outro lado, apontado como grande alternativa por aproveitar o tempo dos deslocamentos e dispensar a estrutura de uma sala de aula, não tem ampla aceitação nos melhores centros de ensino do mundo. Eles entendem que o aluno não pode ser passivo no processo de aprendizagem.

Na Austrália, por exemplo, a Universidade de Queensland, que figura entre as 50 melhores universidades nos rankings internacionais, usa um método chamado Blended Learning, que mistura o ensino presencial com uma interface online. No último dia 24 de abril, o professor associado da University of Queensland (UQ), Pedro Isaías, veio à FEA explicar o que é Blended Learning, e as técnicas e ferramentas já utilizadas por ele para incentivar a participação do aluno.

Esta foi a primeira palestra realizada pelo recém-criado Laboratório de Inovação Pedagógica da FEAUSP, coordenado pela professora Adriana Backx. O evento teve o apoio do Escritório de Carreiras da USP (ECar) e do Projeto Sprint Fapesp. 

Algumas ferramentas utilizadas no Blended Learning não estão nada distantes do que conhecemos. São gratuitas e dependem apenas de acesso livre à internet e smartphones. Professores que proíbem uso de celulares terão de se render, pois a utilização destes poderá ter finalidade pedagógica.

No caso da plataforma Poll Everywhere, os celulares serão usados para responder pesquisas ao vivo, o que é ideal para ter a opinião dos alunos sobre um determinado tópico em questão de minutos. Outra ferramenta, o aplicativo Padlet, cria uma tela colaborativa, onde se pode compartilhar textos, fotos, desenhos e vídeos.

Ao final da palestra, o público —  também formado em sua maioria por professores — participou ativamente do game Kahoot, jogo em formato de quiz, gratuito, que cada usuário pode montar o seu próprio.

Pedro Isaías tem doutorado em gerenciamento de informação e, segundo ele, todas essas inovações digitais apresentadas geram dados importantes. Além das respostas dos alunos para cada questão, é possível saber até o tempo que levaram para responder. Esses dados posteriormente são usados para reorganizar as estratégias de aprendizagem nas aulas.

A ciência de dados avançou para o campo da educação e pode revolucionar o jeito que avaliamos o desempenho dos alunos. A ideia de que introduzir novas tecnologias nos processos pedagógicos é algo caro e inacessível não se comprova. As ferramentas para mudança, apresentadas pelo professor, estão disponíveis de graça e já podem ser inseridas nos modelos de ensino brasileiro.

Data do Conteúdo: 
quarta-feira, 15 Maio, 2019

Departamento:

Sugira uma notícia