1967: uma turma à frente de seu tempo


O que tem em comum João Sayad, Roberto Macedo, Denisard Alves, Celso Martone, Elca Rubinstein, Eduardo Vasconcellos, Geraldo Toledo, Eliseu Martins e Stephen Kanitz? Independente da projeção que tiveram em suas carreiras, eles fazem parte da turma de 1967 da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, que completou 50 anos de formatura.  

O Jubileu de Ouro dos 73 alunos graduados na FEAUSP em 1967 foi celebrado no dia 5 de março, durante cerimônia realizada junto com a Aula Magna. Alguns foram homenageados in memoriam, como foi o caso do professor emérito da FEA Juan Hersztajn Moldau.     

Essa, sem dúvida, foi uma turma muito especial. São pessoas que se distinguiram em seus campos de estudo, parte deles dedicando-se às atividades didáticas e de pesquisa, ou contribuindo de forma notável para o progresso nas áreas da economia, administração de empresas, contabilidade e atuária.

Para se ter uma ideia da grandeza da turma, quatro deles ocuparam o cargo de diretor da FEAUSP: Roberto Macedo (1987-1990), Eduardo Pinheiro Gondim de Vasconcellos (1990-1994), Denisard de Oliveira Cneio Alves (1994-1998) e Eliseu Martins (1998-2002). E um deles, Geraldo Toledo, foi vice-diretor.

 

Macedo: duas vezes orador 

Ao ser escolhido para discursar na cerimônia do Jubileu, o economista e professor aposentado da FEA, Roberto Macedo, reproduziu uma cena de 50 anos atrás, quando foi o orador de sua turma de Economia, em cerimônia no Teatro Municipal de São Paulo.  

Nas duas vezes, honrou com mérito seu diploma. Macedo tem um currículo de fazer inveja. Concluiu o curso na USP em 1º lugar e recebeu naquela época os prêmios Gastão Vidigal e Shell Petróleo. Também foi o primeiro estudante de São Paulo a ser aceito para o mestrado e o doutorado em Harvard (EUA), com bolsa integral do governo dos Estados Unidos. Uma bolsa dessas -- segundo ele próprio avaliou -- equivaleria hoje a cerca de R$ 1 milhão.  

Eleito o “Economista do Ano”, em 2012, Roberto Macedo foi presidente da Ordem dos Economistas de São Paulo, secretário especial de Política Econômica do Ministério da Economia, presidente do IPEA, diretor da FEAUSP e diretor de pesquisas da Fipe. É atualmente articulista fixo do jornal O Estado de S. Paulo.

Em seu discurso na comemoração do Jubileu, Roberto Macedo contou de sua parceria, enquanto diretor da FEA, com o então reitor José Goldemberg, o que rendeu muitos frutos para a Faculdade, como a construção dos prédios FEA-5 e FEA-3, recursos do Fundo Sasakawa, e a criação da FEA de Ribeirão Preto.

Mas foi para os calouros que Roberto Macedo fez questão de mandar um recado: “Hoje o que rege o mercado de trabalho não são as profissões, mas sim as ocupações. Vocês têm que estar preparados para essa diversidade ocupacional. Têm que estudar bastante e serem mais flexíveis”.

Segundo Roberto Macedo, apenas 10% dos economistas formados trabalham como economistas, enquanto 13% dos administradores exercem sua função original, e 30% dos contadores atuam em sua profissão.  Aos novos alunos recomendou: assim que puderem façam estágio, tenham fluência no inglês e, se possível, façam MBA.

Dos 73 graduados em 1967, sete compareceram à homenagem: Denisard Alves, Luiz Augusto Ablas, Roberto Macedo, Geraldo Toledo, Marcelo Ewbank Pacheco, Nelson Bianchi Barroso e Eliseu Martins.

 

Quem são eles?

Juan Hersztajn Moldau (in memoriam)  

Economista, professor e pesquisador, teve sua tese de livre-docência premiada pela Anpec, sob o título “A teoria da escolha com objetivos irredutíveis e suas implicações”.  Era um estudioso que desconfiava do resultado, quando este agredia o senso comum. Diz-se que sua tese foi baseada na convicção de Simonsen: “O resultado teórico, ou é óbvio, ou está errado”. Tornou-se professor titular da FEA em 1992.

 

 

Eliseu Martins 

Foi um dos pioneiros do ensino da Contabilidade no país, sendo um dos autores da obra “Contabilidade Introdutória”, editada há mais de 40 anos, que inovou o ensino da contabilidade. Com ela, foi criada uma linguagem comum para a contabilidade e até hoje é adotada nas melhores universidades. Participou, ainda, das discussões para a criação de um padrão internacional para as normas contábeis, conhecidas por IFRS. Recebeu a Medalha do Mérito Contábil João Lyra, prêmio máximo na carreira de um contador.

 

 

João Sayad  

Economista e professor da FEAUSP, teve projeção nacional após ocupar cargos públicos. Doutor em economia pela Universidade de Yale (EUA), participou da elaboração e implementação do Plano Cruzado, durante o governo Sarney, do qual foi ministro do Planejamento. Também foi secretário estadual da Fazenda de São Paulo, secretário municipal de Finanças de São Paulo e secretário estadual de Cultura. Em 2004, foi nomeado vice-presidente de finanças e administração do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). 

 

 

Stephen Charles Kanitz

Bacharel em Contabilidade pela FEA, é mestre em administração de empresas por Harvard (EUA). Em 1974, foi um dos precursores da análise de risco e crédito, que abriu a possibilidade de crédito a pequenos empresários e pessoas mais pobres. Criou em 1975 a edição anual Melhores e Maiores da revista Exame. Foi um dos líderes que disseminou o conceito de “responsabilidade social das empresas”. Publicou “O Brasil que Dá Certo”, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti de 1995. Ficou conhecido por sua coluna na revista Veja (1998-2009). Junto com os colegas, foi autor do livro “Contabilidade Introdutória”.

 

 

Eduardo Vasconcellos

Professor titular da FEA, é pesquisador e consultor de empresas nas áreas de estrutura organizacional e gestão estratégica da tecnologia, tendo realizado cursos de aperfeiçoamento no IMD (Suíça) e MIT (EUA).  Entre as empresas e organismos para os quais fez consultoria estão Metal Leve, Aracruz, Copersucar, Exército, Embrapa, ONU (Finlândia e Áustria), Grupo Itaú, Metrô, Vale, Cosipa, Cemig, Rhodia, Mercedes Benz e Johnson & Johnson. Participou da criação da Anpei, Altec, Iamot e outras associações.

 

 

Elca Rubinstein Rosenberg

Economista, PhD em Economia pela Universidade de Vanderbilt (EUA), foi professora da UnB (1973-1979) e da FEA (1980-1986). Participou da implementação do Projeto Metropolitano de Saúde de São Paulo. Trabalhou 18 anos no Banco Mundial, em Washington. Na área de projetos sociais, integrou o Projeto Guri e o Grupo Sabidosos. Interessada em artes, fez parte de grupos de danças e participou de peças teatrais. É feminista e está empenhada em “ajudar a mudar a cara da terceira idade”. No final de 2014, trouxe para o Brasil uma iniciativa inédita: encontros para falar sobre um assunto tabu -- a morte. 

 

 

Celso Luiz Martone

Especialista em macroeconomia, economia internacional e economia monetária, foi professor titular da FEA, onde continua dando aulas como professor sênior. Foi agraciado em 2007 com o prêmio Economista do Ano. Atualmente é diretor da área de Economia da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica).

 

 

Denisard Cneio de Oliveira Alves

Economista formado pela FEA, fez doutorado e pós-doutorado em Yale (EUA). Foi chefe do departamento de Economia por três vezes. Como pesquisador nas áreas de macroeconomia e economia monetária, concentrou sua atuação na econometria aplicada à série de tempo, análise de painel e econometria de cross-section. Fora da USP, foi secretário de Finanças do município de São Paulo (1983-1985) e vice-presidente do Banespa (1986-1987).

 

 

Geraldo Luciano Toledo

Foi professor titular do departamento de Administração da FEA. Autor de inúmeros livros sobre Estatística Básica e Marketing Bancário, desenvolveu pesquisas em temas como marketing estratégico, segmentação de mercado, posicionamento, gestão estratégica de marketing, comportamento do consumidor, gestão de marcas, marketing de serviços e marketing empresarial. Atualmente é professor sênior da FEA.

 

 

 

 

 

Data do Conteúdo: 
quarta-feira, 21 Março, 2018

Departamento:

Sugira uma notícia