A relação entre a micro e a macroeconomia em uma perspectiva histórica

No último dia 28 de agosto, por ocasião do lançamento do livro Microfoundations Reconsidered (Edward Elgar), coeditado pelos professores Pedro Garcia Duarte e Gilberto Tadeu Lima, do Departamento de Economia, ocorreu na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP (FEA-USP) uma mesa-redonda sobre o tema "A relação entre a micro e a macroeconomia em uma perspectiva histórica".

A abertura do evento foi feita pela chefe do Departamento, Professora Elizabeth Farina, e a mesa foi presidida pelo professor Gilberto Tadeu Lima, contando com as participações dos professores Antonio Delfim Netto, Jorge Eduardo de Castro Soromenho e Pedro Garcia Duarte, todos do Departamento de Economia da FEA-USP. A Professora Elizabeth agradeceu o apoio constante e generoso que o Professor Delfim sempre deu ao Departamento e suas iniciativas. Como lembrou também o Professor Gilberto, o livro agora lançado é fruto de um simpósio internacional ocorrido na FEA em agosto de 2009 que foi possível graças ao entusiasmo e apoio do Professor Delfim, e anunciou que uma segunda edição do simpósio internacional ocorrerá na FEA no início de agosto de 2013, tendo já vários convidados internacionais confirmado a participação.

O livro recém lançado conta com a participação de renomados historiadores do pensamento que, de modos alternativos e complementares, questionaram a história canônica do dogma dos microfundamentos da macroeconomia, ainda hoje muito presente na academia: a ideia de que a microeconomia tem prioridade sobre a macroeconomia porque esta última, para ser científica e precisa, deve ir além das funções de oferta e demanda para o nível das funções objetivo, restrições e condições de equilíbrio nos mercados. Segundo tal história canônica, esta visão foi proposta por Robert Lucas na década de 1970 e posteriormente elaborada por seus seguidores. O livro questiona e enriquece esta história ao mostrar que a preocupação da relação entre a micro e a macroeconomia foi articulada explicitamente quando a divisão entre estas duas áreas foi estabelecida, no início dos anos 1930. Os seis capítulos cobrem aspectos desta história, da década de 1930 aos dias atuais com a chamada "nova síntese neoclássica" e seus modelos DSGE. O livro reconhece que esta história é muito mais rica e complexa do que pode ser discutido em um único volume. Sendo assim, o livro é um convite para historiadores e economistas explorarem historicamente algumas das mais importantes perguntas sobre os fundamentos da moderna ciência econômica. 




Data do Conteúdo: 
sexta-feira, 31 Agosto, 2012

Departamento:

Sugira uma notícia