Os Desafios da próxima Cúpula da Terra

A Cúpula da Terra de 2012, a ser realizada no Brasil, deverá enfrentar vários desafios ambientais e sociais, segundo o economista e sociólogo Ignacy Sachs, professor emérito da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (França). Para ele, a recente reunião de Copenhague mostrou que "devemos buscar novas formas de articulação das políticas nacionais e, nesse contexto, convém examinar o papel de planos nacionais de longo prazo construídos a partir dos conceitos de pegada ecológica e de trabalho decente".

Esses desafios serão discutidos por Sachs na conferência "Rumo à Cúpula da Terra 2012", no dia 29 de abril, às 14h, na Sala da Congregação da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP. O debatedor será Wagner Costa Ribeiro, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (Procam) e do IEA. Pedro Jacobi, da Faculdade de Educação e do Procam, coordenará o evento.

Na opinião de Sachs, a Agenda 21 elaborada na Rio-92 (Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento) se chocou com a contrarreforma neoliberal, que estava em seu auge depois da queda do Muro de Berlim. Ele considera que a recente crise econômica "mostrou a improcedência do mito dos mercados que se autorregulam". Em razão disso, os países emergentes "estarão numa posição mais favorável para propor uma transição ordenada para a economia de baixo carbono baseada na cooperação entre países desenvolvimentistas".

Data do Conteúdo: 
terça-feira, 27 Abril, 2010

Departamento:

Sugira uma notícia