FEA recebe Congresso Latinoamericano de História Econômica

Público do Congresso

Veja as fotos do evento

Espaço acadêmico para debater as recentes pesquisas de histórica econômica da América Latina, assim como abordar as perspectivas globais e comparativas com outras regiões, o Congresso Latinoamericano de História Econômica (CLADHE) realizou sua 5˚ edição entre os dias 18 e 21 de julho, na FEAUSP. Organizado pelo prof. Alexandre Machionne Saes, com apoio do Departamento de Economia FEAUSP e da Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica (ABPHE), nessa edição, o CLADHE contou com a participação de nomes importantes, como os pesquisadores Victor Bulmer-Thomas, da University College London e Gareth Austin, da Cambridge University. “A análise da história econômica é um instrumento poderoso para explicar tendências do presente, como polarizações políticas, culturais e religiosas, e pode influir diretamente para solucionar problemas da nossa sociedade”, explicou o professor Saes durante o evento de abertura do Congresso.

Criado em 2007, o CLADHE continua sendo um ponto de encontro importante para pesquisadores latinoamericanos, ao apoiar a criação de agendas de pesquisas comuns e incentivar a formação de novos pesquisadores, garantindo assim a vitalidade da área, além de contemplar os diferentes estudos feitos por pesquisadores da região. Segundo o professor Saes, apesar do grande número de participantes do Congresso, ainda existem muitos desafios que os historiadores econômicos devem enfrentar: “temos um desafio institucional, de justificarmos recorrentemente aos nossos pares a relevância do ensino da história como disciplina, tanto para as faculdades de economia como de história. É importante garantir que a formação dos historiadores e economistas contemplem essas perspectivas de compreensão e análise da realidade, derivadas de estudos que permitam formações mais amplas e plurais”, explicou. Marta Teresa Arreche, pró-reitora adjunta da Pesquisa da Universidade de São Paulo, acrescentou: “as questões de longo prazo têm ganhado relevância nos últimos anos. São temas difíceis de serem tratados, que exigem um esforço de pesquisa que não é trivial pelos nossos colegas”.

Imperialismo na América Latina

Um dos destaques da programação foi a conferência do pesquisador britânico Victor Bulmer-Thomas sobre o tema “História Econômica e Imperialismo na América Latina: quais são as conexões?”. Partindo do ponto de vista das relações internacionais entre os países e analisando os efeitos do imperialismo, Bulmer-Thomas procurou responder a difícil questão de por que os Estados Unidos, que em 1700 tinham um PIB comparável ao do resto da América Latina, em três séculos se tornou a maior potência mundial.

“Quando começou a guerra da independência dos EUA, o PIB da América Latina caiu para um terço, em comparação ao dos Estados Unidos e, durante o século XIX, o PIB latinoamericano continuou sua caída; essa época foi o momento do auge dos Impérios Europeus”, disse o pesquisador, analisando o histórico colonial desses países para procurar responder qual foi o impacto do imperialismo nas economias das Américas. Em 1700, o sistema comercial dominante era o mercantilismo. Nesse sistema, as colônias eram obrigadas a realizar comércio apenas com suas metrópoles. Nesse sentido, desde aquela época, os Estados Unidos se beneficiaram em relação ao resto da América Latina, pois sua economia estava ligada à Inglaterra, que já era uma potência muito mais dinâmica que Portugal e Espanha. “As exportações em 1775 eram muito diferentes entre essas colônias. As exportações dos EUA, nessa época, eram duas vezes maiores. O impacto do imperialismo nesse caso foi muito diferente para a América Latina e para os Estados Unidos”, explicou.

A partir da independência dos Estados Unidos, as diferenças cresceram ainda mais. Para o pesquisador, o imperialismo foi muito bom para os Estados Unidos e ruim para a América Latina. Assim, o período entre 1780 e 1830, foi a época em que os EUA se converteram em um império e aumentaram seu tamanho significativamente. Durante esse mesmo período ocorreram as guerras de independência de grande parte dos países latinoamericanos, o que prejudicou o comércio exterior da região. Somado a isso, a rápida industrialização dos Estados Unidos e seu crescimento populacional, permitiram que sua economia se dinamizasse ainda mais, enquanto que a América Latina continuou dependente da exportação de commodities com pouco valor agregado e que sofriam com constantes flutuações de preço no mercado internacional. “A história imperialista não explica tudo, mas ajuda a entender a caída do PIB da América Latina em relação aos EUA. Tanto antes da independência como depois, os impérios europeus complicaram o desenvolvimento da economia latinoamericana”, concluiu. 

Matéria: Isabelle dal Maso
Fotos: Ismael Belmiro do Rosário

Data do Conteúdo: 
terça-feira, 26 Julho, 2016

Departamento:

Sugira uma notícia