Economia sem truques

Leia o prólogo do livro lançado recentemente pelo prof. Carlos Eduardo e Bernando Guimarães.


Prólogo do livro "Economia sem Truques"

Este é um livro que ensina economia a partir de seus princípios mais básicos, usando exemplos lúdicos, mas voltado a questões práticas e importantes. Ao nosso ver, a ciência econômica moderna fornece instrumentos que nos permitem compreender os fenômenos sócio-econômicos e encontrar soluções que melhoram concretamente a vida das pessoas. Contudo, talvez pelo caráter hermético das técnicas estatísticas e matemáticas empregadas ou pelo linguajar específico dos economistas acadêmicos, esse entendimento normalmente não chega ao público.

Nós acreditamos que é possível ensinar a todos aqueles interessados nos debates sobre políticas públicas a maneira de o cientista econômico analisar os diversos fenômenos sociais. Este livro busca justamente estabelecer esse elo entre o economista acadêmico e a discussão cotidiana. 

O livro desenvolve, e aplica a questões concretas, o substrato da lógica econômica, buscando consolidar ao longo dos capítulos os pilares dessa lógica ao invés de entrar em detalhes específicos das discussões dos jornais. Aqui, o leitor não encontrará nada sobre a reunião do Copom, nem os últimos dados da cotação do dólar. Para ensinar economia, falamos de coisas como o colapso da civilização que habitava a Ilha da Páscoa, a fabricação de vinho francês a partir do suco de laranja, e as casas com janelas cobertas por tijolos. Não parece economia? Apenas por enquanto.

Em termos de estrutura, o livro está dividido em duas partes. A primeira lança as bases teóricas do pensamento econômico moderno, enquanto a segunda se dedica a aplicar esta lógica, este arcabouço de raciocínio, ao entendimento de temas particularmente caros ao país, como educação, comércio e mercados de crédito. Os doze primeiros capítulos tratam dos fundamentos, enquanto os oito capítulos restantes focam em aplicações.

O ponto de partida de toda nossa análise está nas escolhas das pessoas e em sua interação com o mundo ao redor. Raciocinando a partir das escolhas individuais, mostraremos como são determinados os preços, os salários, os empregos e a produção da economia. Falaremos sobre a feia fumaça que sobe apagando as estrelas, as leis que apenas parecem aumentar os salários, o problema do pai do Woody Allen, e muitos outros casos. Em seguida, explicaremos quando e porque o governo deve intervir na economia e os princípios básicos que nortearão as decisões sobre políticas públicas. Ficará claro porque o governo não deve interferir com os impactos sobre o preço do ouro de uma charge ofensiva a Maomé feita por um cartunista dinamarquês, e porque o governo deve intervir a
fim de reduzir o congestionamento nas ruas de Londres.

Entendida a teoria, passaremos a questões ligadas ao debate corrente no Brasil, como tributação, e instituições políticas. Não falaremos sobre as particularidades das reformas discutidas na conjuntura, o que importa para nós é a lógica econômica por trás de cada assunto. Por exemplo, se queremos saber sobre as políticas públicas adequadas para a previdência, vamos antes entender o problema das cigarras e das formigas. Isso, no entanto, não significa que trataremos desses temas de maneira abstrata. Para discutir estas questões, é necessário atentar para a realidade, e o livro está recheado de dados reais e de histórias concretas como a de um banqueiro que ganhou o Prêmio Nobel da Paz.

Algumas passagens do livro podem parecer óbvias, mas o óbvio com freqüência desemboca no surpreendente. Por exemplo, o fato de o traficante de drogas não emitir notas fiscais nas suas vendas é óbvio, mas é bem menos claro que é por causa disto que há tanta violência associada ao tráfico. 

O Brasil tem constantemente recorrido a truques de economágica para tentar resolver seus problemas, implementando políticas públicas que tentam remediálos sem tocar em suas causas fundamentais. Claro está, os coelhos não têm saído da cartola. Ao longo deste livro, usaremos o arcabouço econômico tanto para desvendar os passes de economágica, como para pensar e propor soluções que de fato funcionem.

Data do Conteúdo: 
segunda-feira, 14 Abril, 2008

Departamento:

Sugira uma notícia