Mestrado - Regime de metas de inflação na América Latina: o papel da taxa de câmbio

Tipo de evento: 
Defesa
Data e hora: 
13/09/2019 - 13:15 até 16:15

 

Lucas Antonio Moisés Freddo

Mestrado - Regime de metas de inflação na América Latina: o papel da taxa de câmbio

Orientador: Prof. Dr. Fernando Monteiro Rugitsky

Comissão: Profs. Drs. Gilberto Tadeu Lima, Julia de Medeiros Braga e Nelson Henrique Barbosa Filho                            

Local: Sala 217, FEA-5

Resumo*

Diversas economias emergentes adotaram metas de inflação como arcabouço de política monetária nas últimas décadas – geralmente após um período de algum tipo de política de câmbio fixo. Sob um regime de metas de inflação, em teoria, a taxa de câmbio deveria flutuar livremente. As autoridades monetárias, na verdade, deveriam se preocupar com a propagação de efeitos secundários de movimentos da taxa de câmbio sobre os preços – através da demanda e/ou das expectativas, mas sem tentar influenciar a própria trajetória da taxa de câmbio. A realidade de economias emergentes, no entanto, revela que a taxa de câmbio é de crucial importância não apenas para a condução da política monetária mas também devido a seus efeitos sobre a economia doméstica, por causa de suas susceptibilidades e vulnerabilidades aos fluxos de capital pró-cíclicos. Neste sentido, o objetivo desta dissertação é o de investigar como movimentos da taxa de câmbio influenciam intervenções no mercado das autoridades monetárias latino-americanas (Brasil, Chile e Colômbia) através de dois instrumentos, isto é, do mercado de câmbio e da taxa de juros de curto-prazo, estimando, neste último caso, funções de reação monetária. A principal contribuição é a incorporação de potenciais assimetrias ­– maior preocupação com apreciação ou depreciação cambial – no comportamento das autoridades monetárias. Os resultados esclarecem o fato de que, apesar de a taxa de câmbio desempenhar um papel crucial para os regimes de metas de inflação na América Latina, a utilização dos instrumentos variaram em termos de intensidade, propósito e assimetria em relação a movimentos da taxa de câmbio. No Brasil, as autoridades monetárias comportaram-se assimetricamente com relação a depreciações cambiais, com ambos instrumentos. No Chile, a assimetria verificada foi com relação a apreciações cambiais, também com ambos instrumentos, mas as intervenções no mercado cambial foram bem mais modestas. Na Colômbia, as autoridades monetárias comportaram-se assimetricamente com relação a apreciações cambiais no mercado de câmbio, sem evidência de assimetria através da taxa de juros. A potencial razão por trás das assimetrias também é diferente: enquanto no Brasil as autoridades monetárias preocuparam-se mais com depreciações cambiais, potencialmente por causa de questões relacionadas aos seus objetivos de inflação, no Chile e na Colômbia, elas preocuparam-se mais com apreciações cambiais, potencialmente por causa de questões relacionadas ao balanço de pagamentos. Ademais, a intensidade e a frequência das intervenções, especialmente no mercado de câmbio, levantam a questão, para os casos do Brasil e da Colômbia, se as autoridades monetárias tentaram influenciar de alguma maneira a própria trajetória da taxa de câmbio.      

*Resumo fornecido pelo autor

Departamento:

Voltar para a página de eventos