Congresso traz Especialistas Internacionais e reúne 872 Participantes

Público do CongressoO XV Congresso USP de Controladoria e Contabilidade e o XII Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade ocorreram nos dias 29, 30 e 31 de julho na FEA, com importantes atrações internacionais e grande público.O evento foi uma realização do Departamento de Contabilidade e Atuária e da Fipecafi, sendo coordenado pelo Prof. Luiz Paulo Fávero.

O diretor da FEA, Prof. Adalberto Fischmann, afirmou que a periodicidade do Congresso é fundamental para o país, pois traz benefícios paraos setores público e privado: “esperamos que o evento possa irradiar conhecimentos para melhorar a gestão pública e privada”.

A solenidade de abertura foi feita pelo Prof. Fávero, que ressaltou a necessidade de“formar profissionais para o nosso século”. Assim, apontou que ao avaliar os trabalhos apresentados, é preciso questionar: “O que podemos tirar para o conhecimento da área? De que vale esse paper? Qual a contribuição efetiva para o trabalho ser citado?”.

Essa postura é importante, pois a área contábil sofreu mudanças. Conforme explicou o Prof. Nelson Carvalho, o artigo tangível (como a produção industrial) virou intangível (como as patentes), sendo necessário compreender essas novas formas de produção. É importante que os alunos saiam da universidade com capacidade de resolver problemas nas empresas, e não apenas registrá-los.

O congresso reuniu representantes internacionais ilustres da área contábil, como a Professora Dra. Beatriz Garcia Osma, da Universidad Autónoma de Madrid, com a palestra “The use of financial information in capital markets: Is valuation versus contracting an important distinction?” e o Professor Dr. Daniel Jones, da University of Texas, com a palestra “How destructive personalities impact modern business”.

O Prof. Graham Gal, da University of Massachusetts, falou sobre a  importância de as empresas fazerem relatórios constantemente em sua palestra “How much assurance can we provide for cotinuously report information?”.Esse processo é importante não apenas para que elas possam gerir melhor a si mesmas, mas também para dar aos investidores uma ideia mais clara do que ocorre na companhia, como a cadeia produtiva e os fornecedores de matéria-prima. Esse conhecimento tem relevância financeira na visão do mercado (investidores e acionistas).

Para fazer essa tarefa de reportar o que ocorre nas empresas, é importante conhecer o conceito de Ontologia, que segundo Gal, é uma forma compartilhada de ver o mundo. Para  ele, esse termo é importante pois o objetivo da contabilidade é obter um “grupo de procedimentos e termos que estejam em acordo”, para que a comunicação e as representações fiquem mais claras.

São exigências como essa que o ensino na área contábil tenta abranger. O Prof. Kevin Jackson, da University of Illinois, falou sobre os desafios do curso na palestra “The challenges and opportunities surrounding accounting education”. Para ele, a graduação deve ensinar não apenas contabilidade, mas também como o mundo dos negócios funciona, para se adaptar a mudanças. Dessa forma, citou cinco atributos básicos que a faculdade deve prover: pensamento crítico, desenvolvimento da habilidade de se comunicar bem, capacidade de identificar problemas e simplificar ideias, habilidade com tecnologia e hábitos de honestidade no trabalho.

“Esses itens representam o que o mercado espera” e “sem essas medidas, o mercado buscará profissionais de outras instituições ou de outras áreas”, afirmou. Essas medidas são essenciais para os estudantes, pois o modelo tradicional de ensino mudou. Por isso, o professor acredita que para aprimorar os cursos é preciso usar a tecnologia, investir em comunicação e buscar parcerias em outros departamentos.

Autora: Thaís do Vale

Data do Conteúdo: 
Quarta-feira, 12 Agosto, 2015

Departamento:

Sugira uma notícia