Mestrados profissionais aproximam o aluno do mundo real das empresas

Autora: Cacilda Luna
Fotos: Caetano Ribas

Prof. MartinhoCoordenadores, professores e alunos de mestrados profissionais em administração de vários Estados do país, como São Paulo, Ceará, Minas Gerais, Rondônia, Rio de Janeiro e Goiás, participaram do 4º Emprad (Encontro dos Mestrados Profissionais em Administração), realizado pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP (FEAUSP). Foram três dias de palestras, exibição de pôsteres, apresentação de mais de 80 relatos técnicos e lançamento de livros. O encontro é único no país e tem por finalidade o aprimoramento do ensino e a melhoria das práticas nas empresas, discutindo experiências de administração na perspectiva teórico-empírica dentro do contexto dos mestrados profissionais.

Na abertura do Emprad, no dia 30 de agosto, o coordenador do programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo da USP, professor Martinho Isnard Ribeiro de Almeida disse que o mestrado profissional tem um papel muito importante na sociedade porque coloca o aluno em contato direto com a “parte real das empresas”. Aberto há quatro anos na FEAUSP, no período noturno, o programa formará este ano a sua segunda turma. O curso é gratuito e oferece anualmente 20 vagas. Já no próximo ano -- Martinho Isnard anunciou -- a USP permitirá aos alunos escolherem também outras disciplinas fora do programa do mestrado para assistir.   

Com o intuito de congregar os mestrados profissionais, o Emprad trouxe a experiência de outras instituições. O professor Reinaldo Marcondes, coordenador do Mestrado Profissional em Administração do Desenvolvimento de Negócios da Universidade Mackenzie, em São Paulo, contou como foi definida a diretriz seguida pelo curso. Ele ressaltou que uma das causas da baixa competitividade internacional das empresas brasileiras é a pouca integração existente entre a área de “tecnologia e inovação” e a área de “mercado”. “Fomos até as entidades empresariais entender qual era o problema que afetava cada setor. E houve uma convergência de opinião. As empresas atribuem a sua baixa produtividade ao fato de as duas áreas não conversarem. Por exemplo: o pessoal de mercado quer lançar coisas que a empresa não produz”.

Prof. MarcondesMarcondes prosseguiu afirmando que, nessa disputa entre as duas áreas, gasta-se muita energia e o custo de transação é altíssimo. “O resultado é esse que todo mundo vê: o país não cresce em competitividade internacional”. Essa constatação levou o programa de mestrado do Mackenzie a concentrar seus esforços na integração do mercado com a tecnologia e inovação. Os alunos trazem os problemas verificados nas empresas em que trabalham e os casos são tratados de maneira científica. “Como professores, o máximo que a gente consegue é ajudar as pessoas no método, a raciocinar com certa lógica. Vamos alimentando com teoria e conceitos. É diferente do mestrado acadêmico, que a gente manda todo mundo para a biblioteca fazer levantamentos para a dissertação. No nosso caso, o trabalho final não é uma dissertação, nosso produto final é um trabalho aplicado”. 

Prof. LocatelliNo mestrado profissional da FIA (Fundação Instituto de Administração), de São Paulo, criado em 2014, 70% dos alunos são gestores de empresas internacionais, 10% são empreendedores e os demais, executivos de empresas de grande porte. A idade média dos alunos gira em torno de 39 anos, e o programa é focado em gestão estratégica e criação de valor. Segundo o coordenador do programa, professor James Wright, que também é docente da FEAUSP, o trabalho de dissertação é baseado num problema concreto da empresa e gera um resultado muito interessante em termos do aprofundamento do conhecimento desses executivos. “Nossa busca, evidentemente, é de tentar aprimorar o desempenho das empresas brasileiras”. 

LocatelliPrimeiro mestrado profissional em administração de Minas Gerais, o mestrado da Fundação Pedro Leopoldo (FPL), localizada no município Pedro Leopoldo, é um dos mais antigos do país. Ele já formou cerca de 500 mestres desde o ano 2.000, quando foi criado. Segundo o coordenador do programa, professor Ronaldo Locatelli, o objetivo principal do mestrado é resolver os problemas das organizações. Os alunos selecionam um problema existente na empresa em que trabalham para ser solucionado. “A dissertação é aplicada. Não estamos pensando em elaborar teoria, mas pegar o estado da arte e aplicar nas organizações”. Locatelli enalteceu a realização do Emprad, que na sua avaliação tem ajudado as instituições de ensino do país a delinear melhor seus programas de mestrado.    

Prof. SekyiaCom mais de 5 milhões de micro e pequenas empresas, o Estado de São Paulo aproveita apenas 10% de seu potencial empreendedor, na opinião do subsecretário de Empreendedorismo da Micro e Pequena Empresa do Estado, Roberto Sekiya, um dos convidados da abertura do Emprad. Sekiya afirmou que a maioria das MPEs não consegue sobreviver e fecham as portas em um curto espaço de tempo. “Isso é um grande desafio para o governo: mudar essa realidade”. Por outro lado, ele acredita que o momento de crise deve ser aproveitado pelas empresas no sentido de “transformar o combustível da sobrevivência em uma grande janela de oportunidades”, ou seja, utilizar a inteligência criada para manter o negócio em pé para aumentar a competitividade no momento que o crescimento econômico voltar.    

Uma das formas de se criar “inteligência” no momento de crise, de acordo com Roberto Sekiya, é “acelerar” o processo de aproximação entre academia, empresa e sociedade, o que de certa forma -- acredita ele -- os mestrados profissionais vêm tentando fazer. “As soluções de alguma forma estão prontas no ecossistema. Só que existem barreiras. Um acadêmico às vezes conversando com uma empresa não consegue se entender por causa da linguagem. Então, romper isso com empatia cria uma sinergia fantástica. Na hora que se junta isso, é uma coisa preciosa”, profetizou Roberto Sekiya.

O Emprad teve como parceiros a Uninove, FIA, Fecap, Mackenzie, Fundação Pedro Leopoldo (FPL) e ESPM.

Data do Conteúdo: 
Quarta-feira, 6 Setembro, 2017

Departamento:

Sugira uma notícia