A Profissão Administrador

O administrador trabalha em diversas estruturas dentro de uma organização e é responsável pelo planejamento de estratégias, pelo gerenciamento do dia-a-dia da companhia e pela gestão de recursos financeiros, materiais e humanos.

O profissional de administração conduz as relações entre a empresa e os funcionários, cuida de processos de admissão, treinamento e demissão e organiza planos de carreira e programas de benefícios. Pode também atuar no controle dos estoques de matéria-prima e insumos, gerenciando os processos de compra; no setor financeiro, operando nas áreas de custos, orçamentos e fluxo de caixa; e com as áreas de publicidade e marketing.

Existem diversos setores da sociedade em que se requerem os serviços de um administrador. Podemos destacar atividades ligadas ao esporte, setor financeiro, hóteis, hospitais, setor público, recursos humanos, terceiro setor, agronegócio, comércio exterior, perícia, auditoria, empreendedorismo, meio ambiente, logística e sistemas de informação.

História
Os cursos de Administração no país têm uma história muito curta, principalmente em comparação com os Estados Unidos, onde os primeiros cursos na área se iniciaram no final do século XIX, com a criação da Wharton School, em 1881. Em 1952, ano em que se iniciou o ensino de Administração no Brasil, os EUA já formavam em torno de 50 mil bacharéis, 4 mil mestres e cem doutores por ano, em Administração.

O contexto para a formação do administrador no Brasil começou a ganhar contornos mais claros na década de 40. A partir desse período, acentua-se a necessidade de mão-de-obra qualificada e, conseqüentemente, da profissionalização do ensino de Administração.

O ensino de Administração está relacionado ao processo de desenvolvimento do país, marcado por dois momentos históricos distintos. O primeiro, pelos governos de Getúlio Vargas, representativos do projeto "autônomo", de caráter nacionalista. O segundo, pelo governo de Juscelino Kubitschek, evidenciado pelo projeto de desenvolvimento associado e caracterizado pelo tipo de abertura econômica de caráter internacionalista.

O surgimento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a criação da FEA-USP marcaram o ensino e a pesquisa de temas econômicos e administrativos no Brasil, contribuindo para o processo de desenvolvimento econômico do país.


Fonte: Conselho Federal de Administração e Guia do Estudante