Doutorado - Capacidades organizacionais e a sinergia na criação de valor para stakeholders

Tipo de evento: 
Defesa
Data e hora: 
16/04/2018 - 14:30 até 17:30

 

SIMONE RUCHDI BARAKAT

Doutorado - Capacidades organizacionais e a sinergia na criação de valor para stakeholders
Orientador: Prof. Dr. João Maurício Gama Boaventura
Comissão: Prof. Dr. Luiz Paulo Fávero, Profª Drª Mônica Cavalcante Sá de Abreu, Prof. Dr. Flávio Hourneaux Junior e Prof. Dr. Emerson Wagner Mainardes
Local: sala 217, FEA-5

RESUMO*

De acordo com a Teoria dos Stakeholders, os gestores devem coordenar os interesses dos indivíduos e grupos que podem afetar ou ser afetados pelo alcance dos objetivos da empresa. Há evidências de que a sobrevivência da empresa no longo prazo só poderá ser alcançada se os gestores considerarem não apenas os interesses dos acionistas, mas também dos funcionários, clientes, fornecedores e das comunidades – os chamados stakeholders primários. Contudo, ainda não está claro, na literatura, como as empresas podem operacionalizar a coordenação desses interesses. Defende-se, nesta tese, que as empresas podem buscar pontos comuns e interconexões desses interesses alcançando maior sinergia na criação de valor para os diversos grupos. Para o alcance da sinergia na criação de valor para stakeholders, propõe-se que as empresas desenvolvam as seguintes capacidades organizacionais: capacidade de conhecimento, capacidade de engajamento, capacidade de integridade e capacidade de adaptação, que, em conjunto, formam a capacidade dinâmica de gestão de stakeholders, definida como “capacidade de a empresa integrar, construir e reconfigurar seus recursos e rotinas para atender simultaneamente aos interesses dos stakeholders no contínuo processo de criação de valor”. Essas capacidades foram propostas com base nas literaturas de gestão de stakeholders e capacidades organizacionais. Após essa proposta, a relação entre as quatro capacidades e a sinergia na criação de valor para stakeholders foi testada em uma amostra de 116 empresas, com dados referentes aos anos 2011, 2012 e 2013, totalizando 273 observações. Os dados foram obtidos da base do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA) e analisados por meio de modelos longitudinais de regressão para dados em painel. Os resultados da pesquisa empírica mostraram que a capacidade de conhecimento e a capacidade de adaptação estão positivamente relacionadas com a sinergia na criação de valor. A capacidade de engajamento e a capacidade de integridade não se mostraram estatisticamente relacionadas com a sinergia na criação de valor nas empresas e períodos analisados.

 

* Resumo fornecido pelo autor

Departamento:

Voltar para a página de eventos